NOTAS DE IMPRENSA

7 de Julho de 2021

Instrutivo n.º 11/2021, de 07 de Julho

O Banco Nacional Angola publica o Instrutivo n.º 11/2021, de 7 de Julho – sobre o Processo de Auto-avaliação da Adequação da liquidez, visando determinar que as instituições financeiras bancárias instituam estratégias, políticas, processos metodologias e sistemas robustos para identificar, medir, gerir e monitorizar o risco de liquidez, tendo por referência um conjunto de horizontes temporais apropriados, incluindo o Intradia, de forma a garantir que mantêm níveis adequados de liquidez adequada à viabilidade do negócio.

7 de Julho de 2021

Instrutivo n.º 10/2021, de 07 de Julho

No âmbito do Projecto de Regulação e Processos de Supervisão Equivalente, cujo objectivo visa criar as condições necessárias a implementação das boas práticas de supervisão internacionalmente aceites, o Banco Nacional Angola publica o Instrutivo n.º 10/2021, de 7 de Julho – sobre o Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno que orienta as instituições financeiras bancárias a dispor de estratégias e processos sólidos, eficazes e completos para avaliar e manter numa base permanente os montantes, tipos e distribuição de capital interno que consideram adequados para cobrir a natureza e o nível dos riscos a que estejam ou possam vir a estar expostas.

6 de Julho de 2021

Relatório Anual dos Activos Externos 2020

O Banco Nacional de Angola,  no âmbito das suas atribuições e competências, plasmadas na Lei n.º 16/10, de 15 de Julho, publica a primeira edição do Relatório Anual dos Activos Externos, que detalha a evolução das Reservas Internacionais da República de Angola, no decurso do ano de 2020.

6 de Julho de 2021

Aviso n.º 9/2021, de 5 de Julho de 2021

Regula a actividade de auditoria externa das Instituições Financeiras, nos termos do Regime Geral da sua Actividade.

6 de Julho de 2021

Aviso n.º 8/2021, de 5 de Julho de 2021

O presente Aviso estabelece as características dos elementos integrantes dos fundos próprios e das regras uniformes em matérias de requisitos prudenciais gerais que as Instituições Financeiras devem cumprir, em linha com as recomendações dos Acordos de Basileia II e III, bem como dos dispositivos legais consagrados pelo Regime Geral da Actividade das Instituições Financeiras.