Notas de Imprensa

30 de Junho de 2016

Comité de Política Monetária

O Comité de Política Monetária do Banco Nacional de Angola (CPM) reuniu-se no dia 30 de Junho de 2016, na sua quinquagésima sexta sessão ordinária.

O CPM analisou a evolução dos indicadores relativos à economia internacional e nacional com realce para os sectores Real, Fiscal, Monetário e Externo. Foi prestada particular atenção à trajectória recente dos preços na economia nacional tendo sido notado, com preocupação, a persistência da inflação mensal (medida pelo Índice de Preços no Consumidor da província de Luanda) à volta de 3%.

A redução das receitas de exportação e a menor disponibilidade de divisas na economia, como resultado da baixa do preço do petróleo no mercado internacional, tem afectado severamente e de forma negativa a oferta de bens e serviços no mercado interno e, consequentemente, fazendo aumentar de forma acentuada o nível geral dos preços.

O CPM constatou que, em função desta situação, várias medidas no âmbito da política fiscal e monetária têm sido tomadas, visando reverter a tendência inflacionista. No entanto, o consumo das famílias e empresas está ainda muito dependente das importações e, consequentemente, da disponibilização de divisas aos agentes económicos.

I. EVOLUÇÃO DA ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

No mês de Maio de 2016, a taxa de inflação mensal, medida pelo Índice de Preços no Consumidor da província de Luanda foi de 3,46%, e a inflação dos últimos doze meses situou-se em 29,23%, superior em 2,81 pontos percentuais comparativamente ao mês de Abril de 2016; 

  • As Classes “Alimentação e Bebidas não Alcoólicas”, “Bens e Serviços Diversos” e “Transportes” foram as que mais contribuíram para a inflação registada no período em referência, enquanto as Classes “Bebidas Alcoólicas e Tabaco”, “Alimentação e Bebidas não Alcoólicas” e “Bens e Serviços Diversos” foram as que mais variaram;
  • Dentre as demais províncias, objecto de recolha oficial do nível geral de preços, por parte do Instituto Nacional de Estatística, a província do Huambo registou a taxa de inflação mensal mais baixa, 2,55%, enquanto a província de Cabinda registou a mais alta, 3,75%;
  • No mesmo período, a LUIBOR Overnight passou de 14,00% para 13,92% ao ano, e nas maturidades de 3 e 12 meses as taxas situaram-se em 15,42% e 18,16% ao ano, respectivamente; 
  • De acordo com dados preliminares, no mês de Maio de 2016, o crédito à economia diminuiu 0,39%. Por outro lado, o crédito bruto ao Governo Central (titulado e não titulado) cresceu 4,05%, enquanto os depósitos do Governo junto do sistema bancário contraíram em 5,87%;
  • Os meios de pagamentos representados pelo agregado M2 cresceram 2,72% em Maio e 26,86% nos últimos 12 meses;
  • No mês de Maio, os bancos comerciais adquiriram divisas no valor de USD 787,55 milhões no mercado cambial, dos quais USD 611,61 milhões ao BNA e o remanescente aos seus clientes, o que comparativamente ao mês anterior, representou uma redução de 5,91%.
  • No Mercado Cambial primário, no mês de Maio, a taxa de câmbio do Kwanza face ao Dólar manteve-se em Kz 165,88, em relação ao mês anterior.


II. DECISÕES DO COMITÉ DE POLÍTICA MONETÁRIA

O Comité de Política Monetária (CPM), na sequência da análise efectuada à evolução dos principais indicadores macroeconómicos, decidiu: 

  • Aumentar a Taxa Básica de Juro - Taxa BNA – em 2,00 pontos percentuais, de 14,00% para 16,00%, ao ano;
  • Aumentar a Taxa de Juro da Facilidade Permanente de Cedência de Liquidez em 4,00 pontos percentuais, de 16,00% para 20,00%, ao ano;
  • Aumentar a Taxa de Juro da Facilidade Permanente de Absorção de Liquidez a sete dias em 5,00 pontos percentuais, de 2,25% para 7,25%, ao ano;

O aumento das taxas de juro directoras do Banco Nacional de Angola, tem como objectivo sinalizar a economia relativamente à remuneração de activos e passivos, com realce para o incentivo à poupança.

Face à escassez de divisas que se observa na economia e tendo em conta as prioridades definidas pelo Executivo angolano na estratégia para a saída da crise, derivada da queda do preço do petróleo no mercado internacional, o CPM recomenda o uso racional das disponibilidades cambiais colocadas à disposição dos agentes económicos, salvaguardando a estabilidade cambial, bem como a satisfação das necessidades essenciais da população.

De igual modo, o CPM insta, uma vez mais, os operadores do sistema financeiro no sentido de se encontrar soluções inovadoras e atractivas que contribuam para o fomento da poupança dos agentes económicos em geral e das famílias em particular.

A próxima reunião do Comité de Política Monetária terá lugar sexta-feira, dia 29 de Julho de 2016.